Anatomia · Anatomia Humana · Matérias · Primeiro Ano

Anatomia Humana – Sistema Articular

Olá, tudo bem?

Voltamos para a anatomia, creio que no primeiro ano, essa matéria seja a mais esperada correto? No primeiro post sobre anatomia, vimos o Sistema Esquelético e hoje veremos articulações.

Articulação é a conexão entre dois ou mais ossos, com ou sem movimento, com a função de unir os ossos, permitindo os movimentos (quando o mesmo existe). Antigamente esta conexão era conhecido como juntura, daí a expressão “dor nas juntas”.

O corpo possui diferentes tipos de articulações:

  • Fibrosas/Sinartroses: o elemento que une os ossos é o tecido conectivo fibroso e a maioria delas se localiza no crânio, sendo assim, a mobilidade é quase nula. Possui duas divisões:

– Sindesmoses: possuem grande quantidade de tecido conectivo que podem formar ligamento ou membrana interóssea. Exemplo: sindesmose tíbiofibular, entre as extremidades distais da fíbula e tíbia.

imagem
Figura 1: Sindesmose rádioulnar e tíbiofibular

– Suturas: possuem menos tecido do que as sindesmoses e localizam-se principalmente entre os ossos do crânio. Encontrada em três tipos – escamosa, serrátil e plana.

imagem0
Figura 2: Suturas – escamosa, serrátil e plana
  •      Cartilagíneas/Anfiartroses: são as articulações que apresentam cartilagem entre os ossos. Possuem duas divisões:

– Sincondroses: ossos que aderem/juntam por cartilagem hialina, permite pouco movimento. Muitas sincondroses são articulações temporárias, ou seja,  a cartilagem é substituída por osso com o passar do tempo (isso ocorre em ossos longos e entre alguns ossos do crânio em crianças). As articulações entre as dez primeiras costelas e as cartilagens costais são sincondroses permanentes.

Sincondrose
Figura 3: Sincondrose – Cartilagens costais

– Sínfise: quando as superfícies ósseas, revestidas por uma fina camada de cartilagem hialina, se articulam pela interposição de uma fibrocartilagem espessa. Também possui mobilidade reduzida. Entre os ossos da articulação, há um disco fibrocartilaginoso, sendo essa a característica marcante da sínfise. Esses discos por serem compressíveis permitem que a sínfise absorva impactos. A articulação entre os ossos púbicos e a articulação entre os corpos vertebrais são exemplos de sínfises.

imagem2
Figura 4: Sínfise – Discos intervertebrais e sínfise púbica
  • Sinoviais/Diartroses: tem como característica permitir grandes movimentos, sendo assim, a mobilidade exige livre deslizamento de uma superfície óssea contra outra. Para ocorrer o grau desejável do movimento, possui um elemento que se interpõe entre os ossos, denominado sinóvia ou líquido sinovial. O principal meio de união é representado pela cápsula articular. Cápsula articular, cavidade articular e o líquido sinovial também são características da articulação sinovial. Vamos entender um pouco mais sobre elas:

– Cápsula Articular: é uma membrana conectiva que envolve a articulação, possui duas camadas: a membrana fibrosa (externa) e a membrana sinovial (interna). Muitas articulações possuem ligamentos independentes da cápsula, denominados extracapsulares ou acessórios, e em algumas, como no joelho, apresentam também ligamentos intra-articulares. Mesmo os ligamentos intra-articulares são extra-sinoviais, ou seja, ficam situados do lado de fora da cavidade articular, não sendo banhados pelo líquido sinovial. Ligamentos e a cápsula têm como finalidade manter a união entre os ossos e limitar a amplitude dos movimentos considerados normais;

– Cavidade Articular: é um espaço onde se encontra o líquido sinovial;

– Líquido Sinovial/Sinóvia: é o lubrificante natural da articulação, permite o deslizamento com um mínimo desgaste e atrito;

imagem
Figura 5: Cápsula articular, cavidade articular e líquido sinovial

– Discos e Meniscos: interpostas às superfícies articulares, formações de fibrocartilagíneas, os discos e meniscos permitem uma melhor adaptação das superfícies que se articulam, tornando-as coerentes. Em algumas articulações, como o joelho e o ombro, as superfícies em contato são incoerentes, ou seja, têm diferentes graus de curvatura;

– Superfície Articular: são revestidas por cartilagem hialina (que representa a porção do osso que não sofreu ossificação), sendo assim, são lisas, polidas e com cor esbranquiçada.

imagem3
Figura 6: Discos, meniscos, ligamentos e superfície articular
  • Classificação Funcional das Diartroses/Sinoviais:

O movimento nas articulações sinoviais depende da forma das superfícies e dos meios de união. Como depende destes fatores, as articulações podem realizar movimentos em torno de nenhum eixo, de um, dois ou três eixos. Quando realiza movimentos apenas em torno de um eixo, denomina-se de monoaxial (ex.: cotovelo); em torno de dois eixos, será biaxial (ex.: radiocarpal); e em três eixos é triaxial (ex.: ombro).

  • Classificação Morfológica das Diartroses/Sinoviais:

O critério de base para essa classificação é a forma das superfícies articulares. São seis tipos:

– Plana: as superfícies são planas ou levemente curvadas, permite deslizamento entre superfícies em qualquer direção. Vale lembrar, que o deslizamento ocorre em todas as articulações sinoviais, mas nas planas é bem discreto, fazendo com que a amplitude de movimento seja bem reduzida. Exemplo de plana: articulação sacroilíaca.

quadril
Figura 7: Articulação plana – Sacroilíaca

– Gínglimo: também chamada de “dobradiça”, pois, ela “abre e fecha”, ou seja,  realiza flexão e extensão. Exemplo: cotovelo.

gínglimo
Figura 8: Exemplo de gínglimo

– Trocóide: as superfícies possuem forma de cilindro, permitem rotação, temos um osso como pivô e outro que faz rotação sobre esse pivô. Exemplo: articulação radioulnar.

imagemoi
Figura 9: Exemplo trocóide

– Elipsóide/Condilar: superfície côncava em contato com outra convexa,sendo assim, limita o movimento. Exemplo: articulação radiocarpal.

imagem
Figura 10: Exemplo elipsóide

– Selar: superfície em formato de sela, relacionamento de superfícies de igual curvatura, permitindo a circundação. Exemplo: articulação carpometacarpal.

imagemgf
Figura 11: Exemplo selar

– Esferóide: São articulações presentes entre ossos de “cabeça” arredondada, como úmero e fêmur, e suas respectivas cavidades.

imagem2
Figura 12: Exemplo de esferóide

Qualquer dúvida que possa surgir, comente ou mande e-mail para discutirmos o assunto 🙂

Até o próximo post, beijos! ❤

Referências:

Livro: Anatomia Humana – Sistêmica e Segmentar 3ª ed, Dangelo & Fattini.

Anúncios

9 comentários em “Anatomia Humana – Sistema Articular

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s